Olhar de Secar Pimenteira



Num dos capítulos do livro A Vida Secreta das Plantas, de Peter Tompkins e Christopher Bird, há um parágrafo que acho muito especial e que fala mais ou menos assim:

“Dorothy compreendeu que, elevando a qualidade de suas próprias vibrações, poderia eventualmente abrir as portas para um novo reino do espírito na vida vegetal. Tornou-se claro para ela que o pensamento, a paixão, as cóleras humanas, como a afeição e a doçura, tinham efeitos de longo alcance sobre as plantas; que estas, de fato, eram supersensíveis à vibração do que nos ­passa pela mente e afeta sua própria energia. Os estados de espírito negativos e venenosos têm um efeito depressor sobre as plantas, tal como as frequências felizes e transmissoras de ânimo têm um efeito benéfico. Ocorreu-lhe ainda que os efeitos negativos podiam regressar às pessoas através do que comiam, por elas mesmas terem infestado de vibrações más...”

Quem não tem uma história para contar sobre pessoas que elogiaram seu vaso de flores e, ao cabo de horas ou dias, elas murcharam e morreram? O sentimento de inveja é realmente um olhar de secar pimenteira. Ou então, após receber uma visita, percebermos que nossas violetas estão murchas e com os talos amolecidos? Dizem os entendidos que a plantinha nos protegeu, absorvendo para si toda a energia negativa trazida pela pessoa que esteve no ambiente. Alguns especialistas indicam, inclusive, algumas plantas que servem muito bem para proteção de ambientes, como Espadas-de-São-Jorge, Comigo-Ninguém-Pode, Lavandas nos jardins e também pés de Jasmim. As plantas têm uma grande sensitividade em sua suprassensibilidade, afetando todo o seu metabolismo e, muitas vezes, prejudicando sua integridade física, fazendo-as murchar, secar e morrer.

Ventos, chuvas em excesso e frio podem abalar um pouco seu crescimento e brotação, mas as plantas têm um alto poder de regeneração, mesmo após intempéries ou períodos de seca. Já as frequências vibracionais negativas das pessoas e de ambientes no entorno fazem com que, na maioria das vezes, venham a definhar e morrer. Lembro sempre a história de uma praça com muitas árvores e jardins, em um grande centro urbano, que foi sendo utilizada por usuários de drogas, desocupados e bêbados. A energia do entorno da praça estava tão densa que as pessoas atravessavam a rua e buscavam passar cada vez mais longe do local.


As árvores começaram a ficar ocas e secar de dentro para fora, caindo ou quebrando ao menor vento, a grama secou e morreu, as flores, que outrora detinham os passos de quem passava para admirá-las, desapareceram totalmente dos canteiros. Por medida de segurança, a praça foi cercada, para impedir a entrada dos ­antigos frequentadores. Passados seis meses, a grama voltou a brotar, as flores começaram a surgir por entre a vegetação de ervas daninhas, os troncos das árvores caídas lançavam brotos e novos galhos, sinalizando vida e seiva circulando novamente. Um professor de botânica, que morava próximo do local, acompanhou todo este processo, observando que nada além da cerca foi feito no local, a única diferença foi o afastamento de pessoas com energias densas e agressivas. Poucos meses depois, toda a vegetação, como uma mágica, voltou a florescer e crescer, com muita força e exuberância. O professor então sugeriu que as crianças de uma escola próxima adotassem o local, responsabilizando-se pelos seus cuidados, orientações e manutenção. Passado um ano de feliz e alegre convivência, a praça tornou-se local de visitação e estudos, devido à linda flora que ali se desenvolvia, e a fauna logo mudou-se para as árvores, sendo representada por cânticos de pássaros e ninhos escondidos nos troncos e folhas verdejantes.

A energia das pessoas interfere no ambiente, alterando as vibrações frequenciais energéticas no entorno. Sendo as plantas altamente sensitivas, conforme o nível da vibração, elas crescem, florescem e dão frutos, ou secam murcham e morrem. Um bom sinalizador de como estão as vibrações do ambiente que frequentamos é o cultivo de plantas convivendo conosco.

A expressão olhar de secar pimenteira se explica por ser a pimenteira uma planta extremamente forte e resistente, e quando um pé de pimenteira seca, é porque as energias passadas no ambiente foram extremamente negativas, ao ponto de secar a pimenteira. Por conta disso, muitos locais de trabalho têm um vaso com uma pimenteira. No início, ela absorve as energias densas e protege, limpando as vibrações, mas se for em excesso, ela seca e morre


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square